A ECONOMIA DA UNIDADE FAMILIAR CAMPONESA DE PRODUÇÃO: ESTUDO DE CASO

Diana Mendes Cajado, Gema Esmeraldo, Luiz Antônio de Paula, José de Alencar, Maria Mayorga

Resumo


A intenção de analisar economicamente a Unidade Produção Familiar Camponesa ao passo que se revela extremamente importante, também se mostra um desafio. Na busca desta compreensão, é Chayanov quem elabora uma proposta original de análise dos processos internos das unidades familiares de produção agrícola. O presente artigo traz como objetivos caracterizar e avaliar economicamente os sistemas de produção desenvolvidos, com ênfase nos aspectos relacionados a socioreprodução familiar pelas unidades de produção familiar camponesa da comunidade Apiques, Assentamento Maceió, município de Itapipoca-CE à luz da teoria da Unidade Econômica Camponesa de Chayanov. Os dados apresentados neste artigo são um recorde da dissertação de mestrado em Economia Rural. A metodologia utilizada foi a Análise Diagnóstico de Sistemas Agrários (ADSA), subsidiada pela técnica de pesquisa observação participante. Os resultados trabalhados neste artigo são referentes às etapas da ADSA de Tipificação dos Sistemas de Produção e Avaliação Econômica dos mesmos. Foram identificados sete tipos de sistemas de produção, oriundos da combinação dos sistemas e subsistemas, dos sete tipos, os tipos 1 e 5 apresentaram renda monetária negativa. O tipo 3 foi o que apresentou melhores resultados, refletindo o maior número de Unidade de Trabalho Familiar (UTF), dialogando com os princípios da teoria de Chayanov. Tentou-se colocar a importância e o desafio de compreender como as unidades de produção familiar camponesa constroem cotidianamente sua economia alicerçada não apenas e nem principalmente em valores monetários, mas concebida a partir da vida, das formas de vida existentes no Campo.

Palavras-chave


Chayanov; Unidade de Produção Familiar Camponesa; Assentamento; Diferenciação demográfica.

Texto completo: PDF

RDE – Revista de Desenvolvimento Econômico. ISSN eletrônico 2178-8022 (números publicados a partir de 2010)
ISSN impresso 1516-1684