A DELEGAÇÃO DE COMPETÊNCIAS EM UMA COOPERATIVA DE CRÉDITO DE BELO HORIZONTE

Edgard Goncalves Costa, Alfredo Alves de Oliveira Melo

Resumo


Este trabalho (descritivo e quantitativo) investiga as razões que levam os membros de uma cooperativa de crédito de Belo Horizonte a delegarem seu poder de decisão a outros cooperados da organização. Destacaram-se no referencial teórico: Lechatii (2005), Singer (2010) e Ventura (2009), subsidiando as reflexões sobre o tema economia associativista. Por meio de estudo de caso, foi aplicado um questionário aos cooperados em uma cooperativa de crédito que adota a gestão por delegação. As cooperativas de crédito se apresentam como alternativa na construção da cidadania, no processo de intermediação financeira e insere os marginalizados na economia, promovendo sua capacidade empreendedora e de obtenção de crédito. São organizações complexas com propriedade difusa, dificultando a participação direta de todos no processo de gestão. Neste contexto, ocorre o processo de delegação de competências, via escolha de delegados. A falta de tempo e a falta de conhecimento foram apontadas como os principais motivos para que ocorra a delegação. Ademais, a boa reputação dos candidatos a delegados, os esforços desses em acompanhar as atividades da cooperativa, aliado à dificuldade em monitorar os agentes afetam a delegação do direito de controle.

DOI: 10.21714/2178-8030gep.v19.3489

 


Palavras-chave


Cooperativismo; Cooperativas de crédito; Delegação de competência

Texto completo: PDF

Todo conteúdo da revista está sob a licença 

Gestão & Planejamento. ISSN impresso 1516-9103 - ISSN eletrônico 2178-8030