A PROPOSTA DE TRANSFORMAÇÃO ESTRUTURAL DOS CORREIOS BRASILEIROS: UMA ANÁLISE A PARTIR DAS CONFIGURAÇÕES ESTRUTURAIS DE HENRY MINTZBERG

Vaner José do Prado, Carolina de Andrade Spinola, Laumar Neves de Souza

Resumo


O presente estudo analisa o atual processo de mudança estrutural, pelo qual passa a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos, com a adoção do um modelo divisional, por meio da criação de Unidades Estratégicas de Negócios (UEN), proposta a partir do ano de 2015. Ao se fazer isso, reflete-se sobre os fundamentos conceituais dessa transformação, visando compreender as implicações e os desafios futuros dessa decisão. Para levar esse empreendimento investigativo a termo, utilizou-se como modelo de análise as configurações estruturais de Henry Mintzberg (2003). Ao perseguir esse caminho metodológico, foi possível perceber os desafios impostos pela Divisionalização no que diz respeito a formação da nova configuração estrutural, da localização dos novos centros decisórios nas UEN e das relações de níveis de serviços entre elas. Nesse sentido, a transformação estrutural procura responder a um novo direcionamento estratégico adotado pelos Correios brasileiros, já consolidado em Administrações Postais europeias, visando melhorar o atendimento e orientar-se para resultados, contemplar melhorias em questões como acesso, qualidade, e nível de serviço, mesmo com todas as restrições e cuidados que esse modelo contemple.

DOI: 10.21714/2178-8030gep.v17i3.4268

 


Palavras-chave


Correios; Configurações Estruturais; Burocracia Mecanizada e Estrutura Divisionalizada

Texto completo: PDF

Todo conteúdo da revista está sob a licença 

Gestão & Planejamento. ISSN impresso 1516-9103 - ISSN eletrônico 2178-8030