A GESTÃO DO PORTFÓLIO DE PROJETOS E A TEORIA DOS CUSTOS DE TRANSAÇÃO: PROPOSIÇÕES TEÓRICAS

Ronielton Rezende Oliveira, Henrique Cordeiro Martins, Alexandre Teixeira Dias

Resumo


Os estudos seminais de portfólio têm origem na década de 1950 na literatura financeira, e esses substanciaram o desenvolvimento da gestão do portfólio em projetos com objetivos de entrega de benefícios organizacionais a partir de vários projetos. Este ensaio teórico movimentou-se em torno de quatro perspectivas: custos de transação, custos de agência, governança e gestão do portfólio de projetos. Desse modo, as proposições teóricas indicam que a partir das estruturas de governança como unidade de análise e avaliação, existe uma relação direta entre os níveis e mecanismos de governança implementados na organização com os pressupostos comportamentais apontados pelos custos de transação, e esses são mediados pelo problema de agência, especificamente, o oportunismo com o comportamento do agente, e a racionalidade limitada com o resultado esperado das ações do agente na gestão do portfólio de projetos, de modo que ambos afetam os custos de transação no ambiente de projetos.

DOI: 10.21714/2178-8030gep.v19.4661


Palavras-chave


Gestão do Portfólio de Projetos; Governança; Custos de Transação; Custos de Agência; Eficiência

Texto completo: PDF

Todo conteúdo da revista está sob a licença 

Gestão & Planejamento. ISSN impresso 1516-9103 - ISSN eletrônico 2178-8030