ROTATIVIDADE VOLUNTÁRIA: UM ESTUDO COM TRABALHADORES POUCO QUALIFICADOS

Fernanda Boroni, Antonio Carvalho Neto, Carolina Mota-Santos

Resumo


Este estudo tem como objetivo avaliar causas da rotatividade voluntária de trabalhadores pouco qualificados no setor de distribuição urbana de bebidas. A escolha pelo tema se deve à escassez de trabalhos publicados no Brasil. Como base teórica, empregou-se trabalhos de Mobley (1992), Price (1977) e Abelson e Baysinger (1984). A pesquisa foi em um estudo de caso, empregando-se dados qualitativos e estatística descritiva. A parte qualitativa da pesquisa contou com a realização de entrevistas semiestruturadas, envolvendo quatro gestores de duas filiais de uma mesma empresa do segmento de distribuição urbana de bebidas em duas cidades no interior de Minas Gerais. A parte quantitativa envolveu a análise de 262 documentos, dentre eles entrevistas de desligamentos preenchidas por trabalhadores. Mesmo com a economia brasileira desacelerada no período da pesquisa, a rotatividade voluntária pode ser explicada por dois fatores: os baixos salários pagos em relação à economia regional e a falta de políticas e práticas de recursos humanos relacionadas à retenção de trabalhadores.

DOI: 10.21714/2178-8030gep.v.21.4765


Palavras-chave


Rotatividade Voluntária; Retenção; Trabalhadores Pouco Qualificados; Relações de Trabalho

Texto completo: PDF

Todo conteúdo da revista está sob a licença 

Gestão & Planejamento. ISSN impresso 1516-9103 - ISSN eletrônico 2178-8030