SENTIDOS DO TRABALHO: POSSIBILIDADES DE DIÁLOGOS ENTRE ESTELLE MORIN E RICARDO ANTUNES?

Silas Dias Mendes Costa, Kely César Martins de Paiva, Andrea Leite Rodrigues

Resumo


O objetivo deste artigo é situar historicamente a temática “sentidos do trabalho”, construindo uma síntese teórica e apresentando como se deu sua construção epistemológica a partir de dois autores de destaque na produção brasileira: Estelle Monique Morin e Ricardo Luiz Coltro Antunes. Alguns pesquisadores têm utilizado essas referências como complementares. Questiona-se: é possível construir um diálogo entre as matrizes epistemológicas em que os dois autores estão inseridos? Para essa discussão, utilizou-se a tese da incomensurabilidade dos paradigmas, de Burrell e Morgan (1979), e o Círculo das Matrizes Epistêmicas, de Paes de Paula (2016). O diálogo entre esses autores é epistemologicamente incoerente em virtude da impossibilidade de conciliação entre os interesses cognitivos de cada matriz epistêmica que o autor e a autora constroem em suas abordagens sobre os sentidos do trabalho. Neste sentido, evitam-se interpretações equivocadas e proposições incoerentes de diálogos entre eles, o que representa uma importante orientação para a condução de pesquisas futuras.

DOI: 10.53706/gep.v.23.7248

 


Palavras-chave


Sentidos do trabalho; Matrizes epistêmicas; Interesses cognitivos

Texto completo: PDF

Todo conteúdo da revista está sob a licença 

Gestão & Planejamento. ISSN impresso 1516-9103 - ISSN eletrônico 2178-8030