O DISCURSO DA “SUSTENTABILIDADE” NA CONSTRUÇÃO CIVIL

Paulo Sérgio Fernandes dos santos, Fábio Freitas Schilling Marquesan

Resumo


O objetivo deste trabalho é analisar os discursos tidos como sustentáveis emitidos por três grandes construtoras responsáveis pela execução, divulgação e comercialização de imóveis certificados. Essas empresas têm difundido uma retórica mercadológica similar, aparentemente ética e sustentável. Entretanto, a prevalência de uma isonomia discursiva “colaborativa” não representa a mitigação dos impactos socioambientais que elas causam. Para dar suporte a esta argumentação, apoiamo-nos em trabalhos que denunciam a formação de ideologias antropocêntricas no âmbito do gerencialismo (KLIKAUER, 2015), do marketing (MONTEIRO et al., 2016) e da sustentabilidade corporativa (MONTIEL, 2008). Uma análise crítica do discurso (ACD) nos permitiu dissecar as formações temáticas amalgamadas numa linguagem financista e persuasiva. Os achados reforçam a manutenção da lógica gerencial originária das bases burocráticas, legitimadas sob uma insipiente ética corporativa, veiculadas pelo marketing funcionalista em discursos explícitos, parciais e encobertos, propícios às investidas capitalistas travestidas por boas ações (SOARES, 2004).

DOI: 10.21714/2178-8030gep.v19.5150


Palavras-chave


Análise Crítica do Discurso; Gerencialismo; Marketing; Sustentabilidade Corporativa. Certificações

Texto completo: PDF

Todo conteúdo da revista está sob a licença 

Gestão & Planejamento. ISSN impresso 1516-9103 - ISSN eletrônico 2178-8030