O RIO SÃO FRANCISCO: GEOGRAFIA E PODER NA FORMAÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL BRASILEIRA NO SÉCULO XIX

Elizabeth W. Kiddy

Resumo


Neste artigo examino os caminhos que tornaram o Rio São Francisco um depositório de sonhos e desejos da elite brasileira durante o século XIX e que culminou na realização do próprio destino manifesto, o de grandeza. Com o título “Rio da Integração Nacional” que viria a se consolidar nas primeiras décadas do século XX, na raíz do desejo de “domar” o Rio São Francisco estava a vontade de criar e articular o significado da identidade nacional brasileira. A identidade nacional é construída a partir de forte base de imaginação e expansão territorial – sonhos e terra. Mais do que ser simplesmente uma página estática onde o processo da história é projetado, o espaço territorial e o entendimento do próprio espaço, tem desempenhado papel importante nos caminhos que a história se revela. Uma importante parte da equação, de qualquer maneira, e uma que só recentemente tem sido considerada pela história é o controle e administração dos recursos hídricos. Gostaria de sugerir que os projetos do final do século XX – hidroelétricas, irrigação, e a própria transposição do rio – que são entendidos como um novo contexto, são projetos que permeiam o imaginário do governo central brasileiro, desde o princípio da nação.

Palavras-chave


Rio São Francisco; Identidade nacional; Território

Texto completo: PDF

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

INDEXAÇÃ0:

DOAJ

Associada

Todo conteúdo da revista está sob a licença 
RDE – Revista de Desenvolvimento Econômico. ISSN eletrônico 2178-8022 (números publicados a partir de 2010)
ISSN impresso 1516-1684