DESIGUALDADE E ESTRUTURA FAMILIAR: UMA ANÁLISE COMPARATIVA

Matheus Pereira Ribeiro, Rafael Luis Comini Curi, Francisco Carlos da Cunha Cassuce

Resumo


O estudo avalia variáveis ligadas a demografia familiar e sua relação com a distribuição de renda mensal domiciliar per capita no Brasil em dois pontos no tempo, 2005 e 2015, realizando uma análise comparativa de como os parâmetros se alteraram ao longo da década. Utilizou-se o método de Regressão Quantílica a fim de inferir sobre a uniformidade de tal resultado ao longo da distribuição. Foi encontrado efeito esperado e positivo para a variável referente à proporção de adultos por família. Para a divisão domiciliar por gênero, observou-se maior vulnerabilidade das mães solteiras. Notou-se, ainda, aumento da variação da renda de forma crescente ao longo dos quantis devido ao sexo, escolaridade e a idade do chefe do domicílio. Os coeficientes tiveram variação considerável ao longo do período. Concluiu-se que a estrutura familiar tem um significante poder explicativo sobre a determinação do nível de renda domiciliar per capita, porém de maneira não uniforme entre os percentis da distribuição, e a alteração da associação entre as variáveis (renda e estrutura familiar) ao longo do tempo pode estar relacionado a recente queda na desigualdade.


Palavras-chave


Regressão Quantílica; Estrutura Familiar; Distribuição de Renda; Análise Comparativa

Texto completo: PDF

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

INDEXAÇÃ0:

DOAJ

Associada

Todo conteúdo da revista está sob a licença 
RDE – Revista de Desenvolvimento Econômico. ISSN eletrônico 2178-8022 (números publicados a partir de 2010)
ISSN impresso 1516-1684