TERCEIRIZAÇÃO: O TRABALHO COMO MERCADORIA

Cristiano Paixão

Resumo


O mundo do trabalho vive um momento de crescente complexidade, fragmentação e redefinição. O fenômeno da
terceirização é um aspecto dessa reconstrução.

Sua principal característica é a desvinculação entre as figuras
do trabalhador e do empregador. O direito do trabalho
clássico nasceu com uma clara natureza bipolar: num dos lados da relação, está o trabalhador, aquele que empresta
suas próprias habilidades (por meio da força física ou de alguma atividade intelectual) em troca de uma contraprestação pecuniária, normalmente chamada de salário. No outro lado, está o empregador, aquela pessoa (física ou jurídica) a quem o trabalhador se subordina e que é responsável pelo pagamento
decorrente da concessão da sua força de trabalho. Essa bipartição esteve associada ao direito do trabalho desde o seu
surgimento, quer pela origem contratual das primeiras relações
de trabalho, quer pela rigidez da divisão entre papéis que se verificou na organização da sociedade industrial a partir do século XIX.

Texto completo: PDF


A Revista Direito UNIFACS – Debate Virtual estará sempre aberta a oportunidade para que todos, ainda que não sejam membros do Corpo Docente e Discente do Curso de Direito da UNIFACS, possam divulgar textos jurídicos de relevância dogmática, devendo enviar seus textos para o endereço eletrônico direito@unifacs.br

ISSN 1808-4435