45 ANOS DE PENSAMENTO DE CELSO FURTADO SOBRE O DESENVOLVIMENTO DO NORDESTE (1959-2004)

Nivalter Aires Santos

Resumo


Objetiva-se com esse trabalho fazer um balanço do pensamento de Celso Furtado sobre os problemas da região Nordeste e a questão do desenvolvimento, a partir de seus escritos entre 1959 e 2004. A orientação metodológica utilizada é o materialismo histórico dialético, considerando o Brasil como um país submetido aos problemas do capitalismo semicolonial ou dependente; também considerou-se os estudos de Bakhtin, em Marxismo e Filosofia da Linguagem, que entende que cada época e cada grupo social têm seu repertório e forma de discurso na comunicação sócio ideológica, bem como Celso Furtado e toda a discussão sobre desenvolvimento, que carrega em seu bojo um protagonismo e dá centralidade a fração industrial do capital. Como resultado observa-se que: Furtado defende o desenvolvimento para ao Nordeste, via SUDENE, em 1950-1964; que o golpe de 1964 barrou essas aspirações; que os 21 anos de regime militar foram marcados por um “mau desenvolvimento”; e depois da redemocratização as políticas de corte neoliberal, produziu efeitos particularmente nefastos nas regiões mais dependentes do governo federal.

Palavras-chave


Celso Furtado; Desenvolvimento; Questão Regional; Nordeste

Texto completo: PDF

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

INDEXAÇÃ0:

DOAJ

Associada

Todo conteúdo da revista está sob a licença 
RDE – Revista de Desenvolvimento Econômico. ISSN eletrônico 2178-8022 (números publicados a partir de 2010)
ISSN impresso 1516-1684